header
Pesquisa Avançada
Your search results

Apartamento à venda, qual o ideal?

Mais M2 por Mais M2 em 20 de maio de 2019
Apartamento à venda, qual o ideal?
Comentários aprovados:0

O sonho da casa própria continua sendo uma meta de vida entre as novas gerações. A tendência da valorização de espaços menores, mas com maior qualidade de vida estão atraindo um público jovem que busca qualidade de vida e opções de serviços que vão além da planta do imóvel. Outro fator importante é que comprando um apartamento você se livra de várias “dores de cabeça”: no caso de moradia, abrangem a vida profissional, pessoal e financeira. Nos centros urbanos há sempre opções que podem variar de tamanho, localidade e se adaptar ao estilo de vida e às necessidades de quem o compra. Com tantos aspectos a se levar em consideração, como escolher um apartamento à venda que caiba no bolso e seja perfeita ao comprador?

O apartamento à venda: ele está alinhado às metas de vida?

Para a maioria da população economicamente ativa, a compra de um apartamento não é algo que acontece todos os dias, portanto, antes de tudo, estabeleça metas para escolher o apartamento ideal aos seus planos de vida, tendo em vista fatores como o que gosta de fazer no seu tempo livre, a disponibilidade de oportunidades profissionais no local, planejar ter filhos, animais de estimação e valorização do espaço são pormenores que têm impacto direto no local onde você mora.

Apartamento não é gasto, é investimento

Um grande fator ao procurar por um apartamento à venda é o valor, mas não pense que conceitos tão simplórios como “é caro” ou “é barato” vão solucionar seus dilemas. A compra de um apartamento é um investimento, caso seu intuito seja locação, moradia própria ou até mesmo ambos.

Há inúmeras vantagens ao se obter o apartamento próprio, mas ainda há práticas que aumentam ainda mais a eficácia da aplicação. Imagine que você quer ter filhos num futuro próximo e, ao comprar um apartamento fique com um cômodo sobrando. Existem serviços como o Airbnb em que pessoas com cômodos inabitados podem oferecer hospedagem a terceiros, gerando uma renda extra aos proprietários. Ter o apartamento em um local mais valorizado pode gerar renda a partir do próprio imóvel.

Um exemplo de valorização do local é a região de Pinheiros, em São Paulo, antes menos habitada e, com a construção do campus da USP (Universidade de São Paulo), houve a valorização progressiva do local, com a abertura de comércios e empresas de ex-alunos da instituição.

Portanto, encare um imóvel não só como uma compra, mas sim como um ativo às suas finanças, que, embora haja um gasto momentâneo alto, a longo prazo ele se paga e você gera lucro.

Preze pela qualidade de vida

O grande enfoque da atualidade está voltado à qualidade de vida, o que ressalta aspectos mais minimalistas de um apartamento à venda, como a visão da varanda, serviços que o prédio tem a oferecer, a comodidade para se relaxar e dormir, esta também ligada à disponibilidade de luz solar, existência de poluição sonora, hábitos e cultura dos vizinhos.

O espaço em que se vive está diretamente ligado à qualidade de vida, inclusive culturalmente. Um exemplo disso é o feng shui, no qual se acredita em que o espaço e a disponibilidade dos objetos nos cômodos harmonizam as energias, trazendo proteção para o local e fazendo com que as energias ruins fluam para fora.

Outro exemplo de que a compra do imóvel próprio é tão significativa é que ela serve de artifício de roteiro para muitos filmes de terror, que vão do clássico Horror em Amityville (1979)em que os protagonistas compram uma casa por um preço muito baixo, por ter ocorrido assassinatos no local, até o atual A Maldição da Residência Hill (2018), que segue a mesma premissa. Sendo assim, escolha um local onde você consiga se imaginar tendo uma vida feliz, um lugar para viver e realizar seus sonhos. Ninguém quer ser o protagonista de um filme de terror na vida real, não é mesmo?

Crie listas de checagem

Tenha sempre tópicos relevantes quando estiver pesquisando e negociando o seu primeiro apartamento, a começar com “quem vai morar no local?”, algumas pessoas compram com intuito de empreender, outras para moradia própria, em ambos os casos é essencial saber as prioridades de quem realmente vai habitar o ambiente, aspectos como: “irá morar sozinho”, ”possui animal de estimação”, “ter mobilidade reduzida (pessoa com deficiência)”, “ter criança(s) sob os cuidados do morador”, são aspectos cruciais na escolha de um apartamento.

Outro fato a ser levado em conta, gerando uma segunda lista, é a localidade, isso, é claro, tem ligação direta com a mobilidade urbana. Aspectos como “possuir veículo próprio”, “disponibilidade de transporte público”, “horários de pico de trânsito”, “fluxo de passageiros”, “comércio/serviços locais” e “segurança”, devem ser checados rigorosamente em cada visita a um apartamento à venda.

Uma terceira lista deve ser feita para as particularidades internas do apartamento: o estado de “pisos”, “portas”, “encanamento”, “materiais utilizados na construção”, “presença de pragas urbanas”, “resistência à variabilidade climática”, “medição dos cômodos”, entre vários outros aspectos. Essa lista tem de ser a mais detalhada possível, e mesmo se o apartamento for comprado na planta, ainda deve-se atentar para as possibilidades de realização de reformas no local, e observar as medidas para a composição das mobílias.

Pesquise e estude

Quanto mais pesquisar e estudar, melhor e mais concreta será sua aquisição, então não deixe de buscar por informações de qualidade, siga nossas dicas para que sua compra seja benéfica e você viva feliz no seu apartamento novo e não com uma “dor de cabeça” causada por ele.

Se você quiser saber mais informações sobre a compra do imóvel dos sonhos, baixe nosso e-book Meu primeiro imóvel e receba dicas valiosas! Se preferir começar agora a busca pela realização desse sonho, fale com um de nossos especialistas e veja as oportunidades de imóveis da Mais M².

Compartilhar

Comparar